Franqueada Bidon planeja fechar o ano com faturamento de R$ 360 mil

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Imagine começar no mercado de franquias com o pé direito e ser considerada a franqueada da rede com o maior faturamento entre todos os empreendedores. É neste cenário que a empresária Lilian Mourão Borges vive.

Formada em ciências contábeis, a empreendedora de 34 anos de idade não tem do que reclamar. Junto com seu marido, Rodrigo Ammirati Barroso, ela está à frente de uma das franquias Bidon Corretora de Seguros desde novembro de 2016 e já alcançou um faturamento mensal com média de 15 mil reais.

Apesar de ter sido fundada em 2010, a Bidon é uma marca jovem no ramo de franquias, atuando no mercado de seguros e consórcios, além de outros produtos similares. Desde seu lançamento no franchising, em 2016, a marca já inaugurou 100 unidades de franquias e sua meta é fechar 2017 com 200 unidades ativas. Além disso, nos próximos cinco anos o objetivo é atingir a marca de 500 franquias. Para tanto, a rede tem um plano de expansão nacional.

E é nesse espírito de crescimento que Lilian também se baseia. Para que tenha ideia, quando sua franquia tinha apenas três meses de atuação, foram mais de 45 mil reais em faturamento bruto. E as expectativas são ainda mais altas, já que a meta é chegar à marca de 360 mil reais até o final deste ano.

“Além disso, um dos nossos maiores objetivos é se firmar no mercado, pois ele é bem competitivo. Queremos alcançar vários clientes e ter uma boa margem de produção. Quando iniciamos a franquia traçamos uma meta anual e, com muito esforço, conseguimos alcançá-la nesses primeiros meses de 2017”, conta.

Natural de Barra das Garças, no Mato Grosso, Lilian conduz uma franquia da rede em Aragarças, em Goiás, e já atingiu altos índices de faturamento. Muito disso em razão da procura por seguros de veículos, o que representa 90% das vendas mensais da unidade. Não é por acaso, aliás, que ela se transformou na franqueada número um da Bidon.

Seu destaque, inclusive, vem da inovação neste mercado na região em que atua, uma vez que em Aragarças não havia nenhuma corretora de seguros anteriormente. “Na verdade não mensuramos essa corrida pela primeira posição da franquia. Apenas no dia a dia buscamos ter uma carteira maior e aumentar nosso lucro. Brigamos muito por um cliente. Não é fácil a quebra de braço aqui, mas fazemos de tudo que podemos pra atender ao cliente com preço acessível e justo.”

Porém, também é preciso ter muito foco e objetivos claros para obter sucesso. “Por ser uma área de prestação de serviços, a logística é mais econômica e a produção mais rentável”, avalia a empreendedora.

Afora isso, Lilian ainda conta com um bom conhecimento deste mercado e dos serviços comercializados, o que é fundamental para o sucesso e para a boa gestão. Além disso, para ela ser prestativo, preciso e ágil no atendimento são quesitos primordiais para o bom andamento do negócio.

Bidon, escolha certa

Fazer parte de uma rede de franquias tem as suas vantagens, uma vez que você entra em um ramo em que o know-how da marca é garantia de respaldo. No entanto, para Lilian essa decisão foi ainda mais fácil. “Resolvi ser uma franqueada pelo fato do negócio ter boa rentabilidade e agregar valores. Além disso, meu esposo já tem conhecimento e prática nessa área”, esclarece.

Rodrigo tem uma bagagem de quase 20 anos de experiência no segmento de seguros, apesar de ele atuar mais na área de administração do negócio. Com isso, os dois se completam na empresa, visto que Lilian tem mais habilidade no gerenciamento da rede, enquanto o marido tem facilidade na execução.

A escolha pela Bidon também não fez com que a empreendedora tivesse grandes dores de cabeça. Pelo contrário, foi uma escolha bastante fácil de fazer, como ela mesma conta: “A escolha foi através de pesquisa inicial via internet entre muitas franquias. Com isso, através de ligações e troca de informações com os franqueados cadastrados naquele momento, resolvemos que seria a Bidon”, conta.

Para ela, aliás, o que mais chamou a atenção na rede foi a taxa de investimento, de aproximadamente 10 mil reais. E o fato de o trabalho ser home office também gerou uma acessibilidade e facilidade ao seu dia a dia, o que lhe permitiu levar o negócio como uma atividade de apoio, visto que ela conduz a Bidon junto com outro escritório na sua área de atuação, a contabilidade.

Mercado em crescimento

Enquanto muitos setores diminuíram com a crise econômica, o mercado de seguros registrou um crescimento nominal de 8% no último ano. Isso acontece porque nos últimos anos mais pessoas tiveram acesso a bens e, portanto, precisam zelar por eles, como automóveis, residências e viagens.

Inclusive, um estudo da Universidade de Oxford apurou que o Brasil é o país com o menor número de pessoas que já possuem seguro de vida: apenas 19% da população. O estudo, que analisou 11 países, também aferiu que 56% dos brasileiros que ainda não têm seguro de vida pretendem adquirir o benefício. Com isso, este mercado se mostra com grandes chances de crescer ainda mais.

“Por isso, esse é um mercado muito bom de trabalhar e muito competitivo. Apesar disso, é preciso grande responsabilidade e comprometimento, pois a busca por crescimento e rentabilidade é diária. E muita acirrada”, esclarece Lilian.

O potencial de crescimento do segmento é alto: segundo a Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), a expectativa é que a indústria de seguros feche 2017 com um crescimento de até 11%. E dentro do universo do franchising o mercado de seguros também faz parte de estatísticas positivas. Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor de Serviços e Outros Negócios cresceu 10% em faturamento no último ano.

Apesar dos atrativos, no entanto, é preciso estar atento às dificuldades. “Os atrativos deste mercado são a diversidade de trabalho, pois temos muitos produtos a serem trabalhados e isso torna maior a maneira de expandir e lucrar. Mas há a dificuldade da concorrência, pois esse é um mercado muito competitivo.” E não é só isso. Lilian ainda fala sobre ser uma franqueada: “É muito bom ter o respaldo da equipe. O preço acessível para iniciar um negócio com baixo custo de investimento também é uma vantagem”, avalia.

E, para ela, não foram encontradas dificuldades no caminho até aqui. “Quando iniciamos o projeto traçamos caminhos e metas, e nessa empreitada com a Bidon até a presente data não houve nenhuma dificuldade. Tudo o que eu procuro e busco é através do dialogo. E o melhor entendimento vem se cumprindo”, conta.

Apesar disso, seu dia a dia é supercorrido, como não poderia deixar de ser. “Minha rotina é uma loucura. Como sou contadora, tenho um escritório de contabilidade há sete anos. E com a franquia Bidon instalei um escritório que fica próximo ao meu escritório de contabilidade. Assim, quem fica à frente da Corretora de Seguros é o meu esposo e um funcionário. Eu sou mais a parte administrativa. Cuido do andamento financeiro, das contas a pagar, acompanho a produção, traço estratégias. Estou sempre acompanhando as emissões de cada cliente e relatórios de vendas”, finaliza.

Como ser um franqueado Bidon

Para abrir uma unidade Bidon home office, o investimento total parte de 11,99 mil reais, valor que inclui a taxa de franquia e o capital de giro. No entanto, este não é o único modelo disponível. A empresa tem, ainda, disponibilidade para franquias que queiram ter uma sala comercial. Para tanto, adiciona-se a este total o investimento em instalação, que é de 10 mil reais.

O valor da taxa de franquia pode ser parcelado, o que facilita a abertura da unidade. Além disso, o empreendedor ainda conta com uma taxa fixa de 200 reais de royalties, independente do valor de faturamento mensal da unidade.

A média de faturamento do negócio é de 50 mil reais mensais, com lucro líquido estimado de 7,5 mil reais. E o retorno do investimento deve acontecer a partir do terceiro mês até 12 meses depois da abertura da unidade.

Investimento total: R$ 11.99 mil a R$ 21.99 mil
Taxa de franquia: R$ 9.99 mil
Royalties: R$ 200
Faturamento médio: R$ 50 mil
Prazo de retorno: 3 a 12 meses

Comentários