Modelo de franquia ajuda PMEs a receber de inadimplentes

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

imagem_release_885203

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional dos Lojistas (CNDL), cerca de 39% da população brasileira adulta integra, atualmente, a lista de devedores.

Criada em 2010 pelo administrador de empresas Caio Katayama, a Ótris, empresa de recuperação de crédito especializada em pequenos negócios, acaba de lançar o seu modelo de franquia. O valor indicado para a abertura de uma unidade é a partir de R$120 mil e o tempo de retorno é estimado em até 18 meses.

“A Ótris já nasceu com o DNA de atendimento aos pequenos empresários. Percebemos a falta de assistência para esse público e decidimos apostar nesse nicho para crescer”, explica Katayama.

A franquia investe em um nicho que mercado que cresce com a inadimplência em expansão devido à crise econômica.

“É quase a metade da população adulta brasileira, o que não é pouco. É muito importante pensarmos como isso influencia na economia e nas empresas, que, sem receber, não investem e não geram empregos. O papel da Ótris é ajudar as empresas a receber dos inadimplesntes”, comenta Katayama.

 

Em sete anos de operação, a Ótris já alcançou a marca de R$4 milhões em créditos recuperados apenas para pequenas empresas . Em 2017, a empresa, que espera inaugurar 25 unidades franqueadas, prevê que este número dobre até o primeiro semestre de 2018.

“O ano passado foi usado para estruturar a franquia e fazer investimentos. Acreditamos que a partir do segundo semestre, com a economia já mostrando sinais de recuperação, possamos ter um crescimento considerável”, revela.

Para quem deseja abrir uma unidade da Ótris, o franqueador indica um investimento de R$120 mil e o tempo de retorno é estimado em até 18 meses.

“No primeiro momento, o foco da nossa expansão está centrado na região Sudeste, onde a franqueadora está instalada. Depois, com calma, vamos estudar outros locais, mas, o importante, é não deixar o nosso franqueado sem suporte. O crescimento precisa ser sólido”, comenta.

Comentários