Franquia de pizzaria aproveita bom momento do setor alimentício

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O setor de alimentação segue uma constante de desenvolvimento no franchising. Dados preliminares divulgados pela ABF (Associação Brasileira do Franchising) revelaram que em 2016, mais uma vez, o ramo de franquias apresentou um desenvolvimento convidável – o equivalente a 9,2%. E o setor que mais contribuiu para este resultado foi justamente o de alimentação, com o total de 14%.

Seguindo a tendência, a Rede Leve Pizza finalizou 2016 com bons números. Ao todo, a rede finalizou o ano com 130 unidades em operação, dessas, 12 estrearam ano passado, e seu faturamento bruto anual total atingiu a meta estipulada: R$ 100 milhões.

A evolução da franquia de pizzaria, representada em números, se sucedeu em grande parte pelo empenho da marca em processos de aprimoramentos internos. Logística, planejamentos, estrutura e suporte à rede, fazem parte dessa premissa. “Nossa estrutura interna passou por uma repaginada durante 2016, desde a identidade visual, até a concepção do projeto arquitetônico das unidades. Estamos sempre em evolução criando novos conceitos e ferramentas que facilite a vida do franqueado e que contribua para o desenvolvimento do negócio”, explica Tiago Azem, diretor executivo da marca.

leve pizza 3

O executivo continua: “Em termos de logística, agora temos um Centro de Distribuição que trabalha em melhor sintonia com todos os outros departamentos da Rede, gerando agilidade, desde a recepção do pedido até a entrega na unidade franqueada. O suporte ao franqueado agora começa antes mesmo da assinatura do contrato. O nosso Departamento de Expansão presta uma consultoria completa ao investidor, envolvendo desde a escolha do ponto comercial aos planos de negócios, além de todos os outros tipos de suporte fundamentais a novos empreendedores (jurídico, contábil, comercial, suporte TI, marketing, operacional)”. Segundo Azem, isso foi fundamental para que o atendimento ao cliente – o maior foco de aprimoramento da Rede – fosse aperfeiçoado também.

Para todos os paladares

Os últimos meses foram marcados pelas tentativas da economia em se desprender da crise. Nesse tempo, as famílias brasileiras com o bolso ainda atingido, precisaram passar por algumas adaptações, o que inclui os alimentos que vão à mesa. Essa ação gerou uma boa visibilidade para a franquia de pizzaria Leve Pizza.

Tradicional entre o público da classe C, 2016 foi uma no também de conquista da preferência da classe A e B. “Em meio à recessão econômica, inflação, desemprego em alta e salários em queda, o comportamento do consumidor deu uma guinada. Os mais afortunados continuam tendo dinheiro, porém, nesse momento tem um critério mais apurado ao gastá-lo, e a nossa pizza tem a qualidade que ele não abre mão por um preço muito atrativo e justo, além do característico bom atendimento ao cliente de nossas unidades”, falou o diretor.

“Produto” de crise, ou não, fato é que a marca proporciona bons lucros aos envolvidos com o negócio justamente por crescer em qualquer que seja o momento. Movimento que gera motivação aos franqueados que se engajam para crescer cada vez mais. “Eles ficam atentos às tendências do consumidor, apostam numa gestão mais presente e atendimento diferenciado. Além disso, investem em atrativos como: massa integral, combos, cartão fidelidade e parcerias com empresas. Com isso, chegam a novos nichos de mercado, aumentam o seu PA (Produto por Atendimento) e o ticket médio, sem aumentar a estrutura, ou seja, otimizando o seu negócio”, disse Tiago.

 

Projetos

Para 2017, a expectativa é que a rede siga em pleno desenvolvimento. Por isso, já rascunha algumas ações para que o objetivo seja alcançado. “Haverá uma reformulação do departamento com novas contratações, mudanças no cadastro de leads para aperfeiçoar os resultados, novo sistema de acompanhamento nas comunicações com os investidores e participação mais acentuada em feiras de franquias de grande porte”, explicou o empresário.

Novidades fazem parte desse processo. “Estamos desenvolvendo também um novo modelo de negócio (microfranquias), com foco no investidor com menor poder aquisitivo para que ele tenha a oportunidade de investir numa empresa de franquia sólida e com garantia de sucesso”, finalizou. O executivo finaliza revelando planos de chegar a 150 unidades até o final de 2017 e a um faturamento bruto anual total de R$ 125 milhões aproximadamente.

Comentários