fbpx

Os conceitos de realidade aumentada e virtual já são uma… realidade para muita gente que experimentou jogar “Pokémon GO no ano passado. O jogo de realidade aumentada mistura locais reais com os monstrinhos virtuais.

Já os óculos e headsets de realidade virtual são tendência desde o ano passado com modelos de peso –Oculus Rift (Facebook), Google Daydream, Gear VR (Samsung), Vive (HTC). Só que todo mundo desse mercado ainda precisa responder a uma pergunta básica: para que precisamos deles?

Uma tecnologia que é mais conhecida na área de jogos e entretenimento vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil e no mundo: a realidade virtual. Ela é uma nova ferramenta para estimular o chamado consumo de experiência.

Com ajuda dessa tecnologia, a pessoa pode conhecer novas realidades sem sair do lugar. Ela é a nova ferramenta de vendas de uma imobiliária em São Paulo. O advogado João Lúcio Leite, por exemplo, procura imóvel para alugar e em vez de visitar um por um, ele faz antes uma seleção com os óculos de realidade virtual, que têm dentro um aplicativo que roda as imagens do imóvel em 3D. ““Gostei, foi uma experiência legal. Ainda mais hoje com falta de tempo, tive visualização real do imóvel”, comenta.

O tour virtual dentro dos imóveis é produzido pela empresa de Jeff Coelho. Ano passado, ele investiu R$ 500 mil para entrar nesse mercado e já atende a 50 imobiliárias em São Paulo. Ele faz a imagens dos imóveis usando uma câmera 360 graus. Depois, monta com um software e coloca o conteúdo em 3D.

A tecnologia de realidade virtual não é nova, mas só há pouco tempo começou a se popularizar. Existem infinitas possibilidades de uso pra essa tecnologia que avança a cada dia. “Tem poucas empresas que desenvolvem jogos em 3D, mas outros criadores de conteúdo estão migrando pra essa tecnologia.

Então é uma grande oportunidade que tem, você não precisa de grandes recursos financeiros pra empreender nessa área, falta vontade e incentivo pra isso”, afirma o coordenador de engenharia da Fiap, John Paul Hempel.

Além do mercado de imóveis, a realidade virtual pode ser usada pela indústria de construção civil, educação, treinamento de pessoal e tour virtual em museus e shows. John Paul diz que a indústria automobilística está começando a se beneficiar disso, para mostrar alguns tipos de automóveis que não estão na concessionária.

Um exemplo de franquia – Gemotion

Planejada por Henrique Mol, empreendedor de franquias de sucesso, como a Encontre Sua Viagem, Fórmula Pizzaria, Bidon Corretora de Seguros e Suav a GEmotion lançada no mercado brasileiro em 2017 no setor de entretenimento de realidade virtual.

As máquinas da GEmotion oferecem aos clientes mais de 30 jogos que proporcionam a experiência de vivenciar diferentes dimensões em realidades virtuais, como montanha russa, parque de dinossauros, terror e temáticas infantis. A franquia da marca é um negócio inovador, de fácil operação e com rápido retorno financeiro.

Com baixo investimento e rápido retorno, as máquinas da GEmotion devem ser instaladas em locais de grande fluxo e com boa visibilidade do público. A empresa sugere que o empreendedor instale o brinquedo em shoppings, galerias comerciais, aeroportos, metrôs e grandes eventos.

Para operação do equipamento, é necessário somente um funcionário, que pode ser o próprio franqueado, e que deverá ter conhecimentos e experiência com uso de computadores, além de desenvolver fácil relacionamento interpessoal. A marca busca por franqueados com perfil colaborativo e que tenham facilidade para lidar com o público, além de espírito de liderança.

O empreendedor também precisa ter disponibilidade para se dedicar à gestão da franquia, além de recursos financeiros.

Há ainda a possibilidade de contratação de um operador capacitado e treinado pelo próprio franqueado para manusear a máquina e acompanhar a rotina de trabalho. Este funcionário deve trabalhar em regime full time, de acordo com o horário comercial do local no qual a máquina será instalada.

Para utilizar a máquina, o investidor precisa pagar uma única parcela à empresa responsável pelo fornecimento do brinquedo. O contrato de locação é no valor de 60 mil reais, com vigência de 24 meses, de acordo com a duração do contrato da franquia.
Ao franqueado, cabe a administração completa do negócio, e observar as leis, portarias e normas de operação das máquinas em shoppings ou outros locais em que a GEmotion for instalada.

O investidor também deve fiscalizar o uso e manutenção do brinquedo, seguindo as orientações da franqueadora e do manual de operação.

Com investimento de 100 mil reais, o faturamento médio é de 35 mil reais, com taxa de lucro de 50%. A empresa fornece treinamento para gerenciamento e operação da máquina, disponibilizando manual de funcionamento do brinquedo e acesso ao intranet, para assistir a vídeos de treinamento para operação da GEmotion.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte de um dos maiores grupos de franquias do Brasil!

Preencha com seu e-mail a baixo e receba em seu e-mail as melhores dicas de franquias.

chevron-down